sexta-feira, 9 de setembro de 2011

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA SOBRE A GREVE DOS PROFESSORES MG


E
xcelentíssima Senhora Presidenta da República, escrevo com o objetivo de pedir vossa intervenção a favor dos Professores de Minas Gerais em greve há mais de 80 dias, ante ao impasse promovido pelo Sr.Governador Anastásia que simplesmente ignorou a decisão do STF que nos garante o direito ao piso salarial .

Ao mesmo tempo, há intensas e permanentes ameaças de dispensas e contratações de pessoas não habilitadas para lecionar em substituição aos titulares em greve.  Também está sendo orquestrado com o Ministério Público Estadual, decisão judicial para tornar nossa mobilização ilegal – o que certamente será anunciado em breve. Entre as ameaças há o anúncio do governo em substituir os professores por educação via TV - Rede Minas e como se não bastasse, o governo após 80 dias nos apresenta uma pseudo proposta de negociação que significa a metade do piso de direito, (R$ 712,00), isso para todos os professores independente de nível de formação e tempo de serviço de cada professor, o que está em desacordo com a lei do piso.

Na condição de cidadão comprometido e Professor entusiasta da educação, que a entende como meio fundamental para a construção de uma nação de sujeitos éticos, com consciência cidadã e humanamente desenvolvido, alerto para as conseqüências danosas ao nosso povo e a categoria dos professores - principais agentes condutores dessa formação humanística - caso não haja uma ação urgente que remova a intransigência gratuita do Sr. Governador.

Com o sucateamento sistemático dos salários e condições de vida e sobrevivência de nossa categoria, (em Minas o salário base do professor é de - R$ 396,00) não haverá outra saída senão o abandono da profissão como já indica pesquisas específicas, com o conseqüente fechamento de cursos de Licenciatura de conceituadas Universidades - como também está ocorrendo neste momento. Deste modo, a educação e a docência, ação e prática nobres, de primeira grandeza social e humanizador, correm o risco real de ficarem a cargo de aventureiros, sendo usadas como fontes de intera salarial, um “bico”, como se diz no vulgo. – Alias o que também vem ocorrendo e aumentando a cada ano em Minas.

Outro ponto grave é a contratação de pessoas NÃO HABILITADAS para lecionar. - Ainda que esta medida seja defendida pelo Exmo. Ministro da Educação, esta prática é niilista e nefasta à qualidade da educação. Há muito, Minas vem praticando por este instrumento, interpretado por alguns como meramente administrativo, a desqualificação do professor habilitado, que dedicou e dedica anos de sua vida na formação em Licenciatura e Pedagogia. Sistematicamente professores habilitados são substituídos ou não encontram vagas, pois muitas estão ocupadas por profissionais de áreas exógenas, estranhas à Educação.

Esta situação compromete substancialmente a qualidade da educação em Minas e gera uma situação de risco na relação professor (a) /aluno (a), adulto/adolescente, pois, sabemos que a especificidade da relação intersubjetiva entre estes entes do processo de ensino/aprendizagem escolar, exige do adulto uma base ética, comportamental e psicológica de grande responsabilidade, adquirida principalmente pela formação específica em licenciatura, pedagógica, psicopedagoga, didática e outras, que no conjunto, teoria e prática, é o que o habilita a lecionar.

Portanto, contratação de não habilitados não é apenas uma questão administrativa. Acaso, o Sr. Governador e o Sr. Ministro aceitariam fazer uma cirurgia com um cirurgião não habilitado? Aceitariam embarcar em avião conduzido por “piloto” não habilitado? Contratariam motoristas não habilitados? Será que matriculariam seus filhos e filhas em escolas cujos professores não são habilitados?

Pois bem, como o Governo de Minas e o  MEC poderão promover a alardeada qualidade da educação com este descaso com a dignidade profissional do professor? Como promover a melhoria do ensino com esta desqualificação do prestígio social e profissional do professor? E por fim, como ser respeitado por nossos alunos e se manter na docência com a precarização  continuada da condição de vida e da auto-estima profissional do professor? Não há como! Assim como não é possível negar à sociedade esta realidade. Com estas ações o governo decreta a miserabilidade do professor e a falência da educação publica em Minas Gerais. Na tentativa de impedir este quadro que já se encontra em curso, faço este apelo a chefe maior da nação.

Westerley Santos
Prof./Filósofo





Um comentário:

  1. mensagemPrezado Senhor,

    Em resposta a suas mensagens, endereçadas à Presidenta Dilma Rousseff , informamos que o assunto foi encaminhado ao Ministério da Educação para análise e eventuais providências.

    Caso julgue necessário obter informações sobre o tratamento do assunto, recomendamos-lhe escrever ao setor pertinente.

    Cordialmente,

    Claudio Soares Rocha

    Diretoria de Documentação Histórica

    Gabinete Pessoal da Presidenta da República

    ResponderExcluir

Para facilitar, você pode postar como anônimo e se não se importar identifique-se (Texto com até 4096 caracteres)

Olavo de Carvalho

Loading...

Sergio Cortella

Loading...