sábado, 15 de outubro de 2011

UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA SOBRE A PROFISSÃO DOCENTE.

OS CINCO TIPOS DE (DES) VALORIZAÇÃO DO PROFESSOR:
O EXEMPLO DE MINAS GERAIS
15/Out/2011

 O Senador Paulo  Paim (PT/RS), na tribuna do Congresso Nacional (11/10)¹ fez um pronunciamento sobre a situação dos professores no Brasil. Dois pontos de sua fala inspiraram este texto. 1) “O Brasil nunca soube valorizar seus professores”, 2) “Há varias formas de valorizar o profissional da Educação”. Este segundo ponto foi introdução para uma avaliação do Senador do ponto de vista positivo. Mas neste artigo quero alertar os leitores para os pontos negativos, pois, os considero mais reais e alarmantes. São os tipos de desvalorização de uma profissão e de seus profissionais.

Neste texto ensaístico, tentarei demonstrar cinco tipos fundamentais: o Econômico, o Social, o Psicológico, o da obsolescência e por fim, o da Desqualificação ou Degenerescência. Este deixo por ultimo não por ordem de importância, mas ao contrário, justamente por que é este tipo que quero me dedicar com mais detalhamento. E para desenvolver esta análise, usarei como paradigma a profissão de Professor no Brasil e o exemplo negativo do Estado de Minas.

1- O Tipo Econômico:

O primeiro tipo de desvalorização profissional e mais comum é o tipo Econômico ou salarial. Esta desvalorização atinge direta e perversamente o profissional e seus dependentes e familiares, pois, os colocam em risco imediato de subsistência, presente e futura, isso porque inviabiliza economicamente sua ascensão social, restringe o acesso aos bens culturais, ao lazer, aos bens de necessidade imediata, material de consumo e principalmente, no caso dos professores, é impeditivo à obtenção de novos conhecimentos necessários ao aprimoramento pessoal e profissional.

Baixos salários impedem o desenvolvimento do profissional e o obriga a duplas jornadas ou empregos, dificulta o acesso as novas tecnologias de educação e para a educação, desqualifica a profissão impingindo a estagnação na carreira. É uma forma cruel e desumana, mas é o principal tipo de desvalorização usado historicamente no Brasil. Além de ser muitas vezes usado como mecanismo de castigo e punição para impedir manifestações organizadas de reivindicações por melhorias de condições. Torna-se uma forma indireta de negar o direito a cidadania e de manifestação democrática.  Isso comumente com a anuência dos tribunais de justiça.
http://revistaescola.abril.com.br/politicas-publicas/carreira
Entre os profissionais da Educação Básica. Fonte: Pesquisa Professores do Brasil: Impasses e Desafios, com base em dados da Pnad 2006.

2- O Tipo Social:

O segundo tipo de desvalorização profissional é o Social ou; do desprestígio social. Chamo de prestígio social profissional, o apreço, a admiração, o respeito, a consideração que uma sociedade tem pelos profissionais de determinada profissão.

A desvalorização social está intimamente ligada ao tipo anterior. No caso do professor ela cresce na medida da degradação provocada pelo tipo de desvalorização econômica. Mas este fenômeno não é necessariamente conseqüente para toda profissão. Há profissões mal remuneradas que ainda assim mantêm o prestígio social. Como é o caso dos Bombeiros, Médicos e Paramédicos, e há profissões bem remuneradas que não gozam de prestigio social, como é o caso dos Políticos (ainda que não se trate tecnicamente de uma profissão).

Prestígio social liga-se a estima que é um valor. Portanto trata-se de uma valoração social da profissão que é importante não só para a autoestima do profissional e de sua profissão, mas também para a manutenção e desenvolvimento da profissão na e para a sociedade.

O prestígio social ocorre pelo sentimento ou percepção social da importância e necessidade da profissão e do papel do profissional para o bem estar e evolução do indivíduo e da sociedade.

O desprestígio ocorre quando as autoridades governamentais e judiciárias descansam e deixam a profissão por conta apenas do prestígio social, o que não é suficiente para a manutenção e desenvolvimento da profissão, pois, sem investimentos econômicos, científicos, tecnológicos, e leis que a defenda, ela entra em decadência.  Como está acontecendo no Brasil com a profissão de professor. Podemos perceber isso, na baixa procura sistemática por esta área.

O risco maior é a curva do prestigio social da profissão  descender e se direcionar para a zona do desprestígio social, pois daí, pode descender ainda mais e entrar na zona da depreciação ou do colapso. A curva de prestígio social do professor no Brasil está em franca descendência há mais de duas décadas. Pesquisas² recentes mostram que menos de 2% dos jovens brasileiros responderam que querem ser Professores.
Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/politicas-publicas/carreira
3- O Tipo Psicológico:

O terceiro tipo de desvalorização profissional é o Psicológico ou da autodesvalorização. Este tipo ocorre quando o próprio profissional perde o sentido e o significado de sua função profissional, nos aspectos sociais, políticos, econômicos e científicos. Com esta perda de referencia ele passa a se autodesvalorizar, contribuindo com atitudes normalmente de omissões e ou submissão perante a situação de desqualificação. Há uma perda de capacidade reativa.

O tipo Psicológico é causa e conseqüência da perda de identidade profissional, e os sintomas são: o adoecimento, a perda de perspectivas, satisfação, prazer, desejo que geram a desilusão, falta de orgulho e vontade em exercer a profissão, o que no conjunto, e com o tempo, gera a auto desqualificação profissional. É o que está ocorrendo com o professor no Brasil. -Há uma intensa autodepreciação em curso em todo pais. Este tipo está intimamente ligado a desvalorização econômica e ao crescente desprestigio social. Este terceiro tipo pode ser considerado uma degradação do segundo tipo de desvalorização.

4 – O Tipo da Obsolescência:

O quarto tipo é o da Obsolescência. Este tipo ocorre por força mercadológica temporal. É quando a profissão não é mais solicitada pelo mercado e ou perde sua necessidade devido a própria evolução histórica, científico e tecnológica. É o caso dos amoladores de facas, datilógrafos ou ferreiros. Profissões que perderam seu valor de mercado devido às novas tecnologias e que por conta disso, o mercado deixou de solicitar este profissional. Há várias profissões neste curso; cobradores de ônibus, alfaiates, são alguns exemplos. Não é um simples caso de oferta e procura pela sazonalidade de mercado  é mais que isso, é a baixa necessidade mercadológica e social da profissão que termina por gerar  sua extinção.

No caso do professor, ainda não há a obsolescência, pois ainda há mercado e a prevalescencia da lei de procura.  O que há, é uma queda na oferta de profissionais pelos motivos apresentados até aqui, provocados pelas desvalorizações do tipo econômica, social e psicológica.  

Mas há uma tendência de obsolescência quanto aos métodos, modos e práticas desta profissão, agravados pela correlação dos três tipos apresentados e por falta de investimentos governamentais.

5 – O Tipo da Desqualificação ou Degenerescência.

O quinto e ultimo tipo de desvalorização profissional é o da desqualificação ou degenerescência.
Aqui quero me ater um pouco mais. Pois é o tipo mais perverso ao lado do Econômico, isso porque é o tipo de desvalorização que atinge a essência da profissão.

(Des)qualificar é tirar a qualidade, e qualidade é o que determina a natureza, o ser da coisa. Quando se tira o ser da coisa promove-se a coisificação. Logo; desqualificar é um modo de tirar da profissão aquilo que a faz ser ela mesma. Na Filosofia costuma-se conceituar esta essência de quididade.

E qual é a essência ou quididade da profissão de professor? Não é outra senão o valor. Daí, o conceito central espelhado, deste ensaio a (Des)valorização da Profissão. Todos os tipos citados desvalorizam a profissão, retiram dela algum elemento de seu valor, mas, este quinto tipo atinge o valor em si mesmo da profissão.

De outro modo; a quididade da profissão de professor é o valor que ela trás em si. A (des)qualificação retira desta profissão justamente o seu Valor intrínseco, a (des)valora. Daí a gravidade e importância deste tipo, porque esta profissão se sustenta inteiramente em bases axiológicas.

É o valor que a profissão de professor promove em sua prática, que a faz valorativa e valorada.  E, é o elemento qualidade, implícito a esta profissão que lhe confere o valor, retirar ou mitigar o elemento que a qualifica, é descaracterizar sua natureza, sua essência.

E quais são os elementos qualitativos, valorativos ou axiológicos desta profissão? 
Dois elementos axiológicos importantes são: a Ética e a Moral. Isso porque os professores são por natureza de sua prática, os artífices da educação do homem para o convívio Ético em sociedade.

Se a educação é a prática mais humana e visa o aperfeiçoamento valorativo do homem na condição de ser humano, o professor é este demiurgo (3).

Se a educação tem como papel aprimorar e fortalecer a cidadania, promover uma reflexão e também a transformação das normas sociais, dos direitos e deveres do cidadão, dos princípios da justiça e da solidariedade humana, o professor é o preceptor, o arquiteto destas edificações humanas no chão da escola, na relação direta com os sujeitos, visando a perenidade dos valores corretos através das gerações, e sem intermediários. 

Outro elemento é o epistemológico ou do conhecimento. Se a educação tem o dever de promove o conhecimento, a ciência, desenvolver as habilidades e capacidades críticas dos homens, o professor é o agente ativo promotor deste processo qualitativo da condição humana.

Outro elemento axiológico é o material. Se a educação visa a preparação técnica e tecnológica para o mundo material do trabalho, se visa o fazer humano no mundo,o professor é este interlocutor quantitativo e qualitativo. Como dizem é esta a profissão das profissões.

Não digo que estas atribuições são exclusivas do professor, mas digo que são específicas do professor. E todas estas funções de natureza da profissão, formam o corpus teóricus valorativo da profissão. Constituem em forma e conteúdo, a sua essência.

Por fim, a desvalorização provocada pelos quatro tipos antecedentes gera o quinto tipo que é a degenerescência da profissão quando é potencializada por práticas governamentais econômicas, materiais, técnicas, sociais, políticas e jurídicas injustas que atingem este corpus teórico essencial da profissão, como está ocorrendo atualmente em todo o Brasil e de modo especial em Minas Gerais.

6 – A Desvalorização Profissional do Professor:  o  Exemplo de Minas Gerais.

Economicamente o Estado de MG ostenta a segunda economia mais próspera da federação. O governo aplicou um modelo de técnicas de gestão importado da iniciativa privada.O New Public Managemente(4)  estruturado em um plano denominado “Choque de Gestão” que visa entre outros,  gastos mínimos do Estado, visão de produtividade a base da competição e tratamento técnico-administrativo das relações políticas, através de um Escritório de técnicos para definir prioridades estratégicas do Estado(5). No entanto, mantém os mais baixos salários(6) do Brasil pago aos professores.

Em 2011 os professores deflagraram a mais longa greve da história destes profissionais naquele Estado, (112 dias), pelo direito ao Piso Nacional Salarial promulgado por uma lei federal (11.738/08) cujo valor estabelecido pelo Ministério da Educação é de apenas R$ 1.187,00, que possivelmente, começará a ser pago a partir de janeiro de 2012.

Um dado importante; em janeiro/2012 o salário mínimo será de R$ 616,34.  Isso significa que, quando Janeiro chegar, o piso salarial dos professores de MG será de menos de dois salários mínimos nacional.

Uma Breve Contextualização do exemplo de Minas:

Em 27/10 os professores, em comum acordo com o governo do Estado, suspenderam a greve e instituiu–se uma comissão mediada pela Assembléia Legislativa para negociar com o governo, já que este até então, negava pagar o piso salarial aprovado por lei federal, e implantando unilateralmente um novo sistema remuneratório denominado “subsídio” que significa na prática, um sistema remuneratório controlado  pelo  poder  discricionário* da administração pública. 
(* Possibilidade do Estado aplicar a lei conforme conveniência e oportunidade. O Estado legisla.)

Em seus detalhes o subsídio estabelece uma linearidade salarial para todos os professores independente da titulação adicional de cada um, congela os salários pelo mínimo possível, (R$712,00- para um cargo completo) e acaba com a progressão na carreira.  A informação é que as negociações avançam em passos lentos enquanto o poder político e jurídico de MG impõe aos professores, medidas (ver quadro) que servem aqui como exemplos práticos de quatro dos cinco tipos de desvalorização da profissão e que no conjunto promovem a desqualificação profissional.
Medidas de Desvalorização da Profissão de Professor em Minas Gerais/Brasil
 1) Não reconhecimento do direito da lei do piso salarial enquadrando compulsoriamente os professores ao sistema de subsídio. (Jan/2011)
2)  Aprisionamento dos profissionais no sistema de subsídio contra a vontade  e desobedecendo a própria legislação do subsidio. (Abr/2011)
3)  Corte dos dias de Greve. (Jun/2011)
4)  Suspensão do direito de férias prêmio dos professores grevistas. (Ago/2011)
5) Suspensão do prêmio de produtividade devido,referente ao período de 2010.( Ago/2011)
6)  Exoneração vice diretores. (Ago/2011)
7)  Julgamento da organização grevista como abusiva e determinação do retorno imediato às aulas. (Ministério Público Estadual e Supremo Tribunal Federal – Set/2011) quando a manifestação era por um direito constitucional promulgado pelo próprio Supremo Tribunal Federal ( Ago/2011) e amparado pela lei de greve.
8) Contratação de substitutos na maioria, não-professores, para assumir aulas em algumas escolas, oficializando a improvisação pedagógica para os alunos. (Set/2011).
9) Perda do período legal de férias (jan) e das incidências remuneratórias de direito trabalhista aos descansos remunerados (fins de semana e feriados). (Set/2011)
10)  Condicionamento do pagamento dos dias cortados á reposição das aulas, com base em calendário imposto pelo governo. (Set/2011)
11)  Manutenção dos substitutos, inclusive não-professores, nas escolas junto com os professores titulares regressos da greve o que gerou um impasse de convivência e descompasso na programação do plano pedagógico do professor e da escola . (Out/2011)
12) Aplicação dos percentuais de reajuste na tabela de reposicionamento da carreira em três anos ( impacto financeiro entre 2012 e 2015. ) (Set/2011)


 Fonte: Atas de reunião da Comissão de Negociação, site do Sindute/MG , resoluções e instruções do Governo do Estado.

Isso em plena situação de empobrecimento comprovada mundialmente:


Em todos estes casos houve a omissão completa dos três poderes da esfera federal (Executivo, Legislativo e Judiciário), salvo raras exceções individuais no Congresso Nacional e na ALMG. Os destaques negativos desta omissão ficam para a Presidência da República e para o Ministério da Educação.  Aqui faço uma retificação, o Ministro da Educação (MEC) apoiou publicamente o governo de MG na medida de contratação de substitutos que gerou a contratação de não-professores.

A sociedade mineira, assim como pais e a maioria dos alunos não perceberam a dimensão, as implicações do problema e suas conseqüências para toda sociedade civil. Poucas mas, importantes organizações políticas não governamentais e religiosas, assim como intelectuais e formadores de opinião manifestaram apoio à luta dos professores mineiros.

A grande imprensa mineira e nacional ignorou propositalmente a manifestação histórica dos professores mineiros enquanto veiculava a propaganda oficial do governo. O que confundiu e deixou a sociedade em estado de inércia diante da situação. 

Sem entrar no mérito humanístico, e da orientação político-ideológico-doutrinal do governo de MG, esta inacreditável lista de medidas de extremo sentido repressivo, demonstra e exemplifica com sobra, pelo menos quatro dos cinco tipos de desvalorização da profissão, com destaque para a desqualificação que gera a degenerescência, e a coisificação sistemática da profissão de professor no Brasil, engendradas pelo poder público que deveria ser o primeiro a zelar por ela para o bem da nação e das futuras gerações.

 “O Brasil nunca soube valorizar seus professores” e por isso perde seu próprio valor!

Autor: Prof/Filósofo - Westerley Santos. MG/Br


Fontes para confirmações e detalhamentos:
1 – Pronunciamento do Senador Paulo Paim -TV Senado de 11/10/2011.
2 -  Vox e INEP.
3 -  Demiurgo: Lit; aquele que trabalha para o povo, (Filos.Platão): aquele que trabalha a matéria dando-lhe forma. Ele não a cria apenas a modela.
5 – Escritório de Gestão: www.escritorio.mg.gov.br/sobre-o-escritorio/
6 – Mapa dos salários dos professores no Brasil: www.terra.com.br/noticias/educacao/infograficos/salarios-professores/



55 comentários:

  1. Há coisas que precisam ser ditas, há coisas que precisam ser pensadas e há coisas que precisam ser refletidas... para que haja transformações...
    Pedro Luiz - Professor em Química

    ResponderExcluir
  2. O professor é o pilar funametamental para a construção de um país sem ignorância. Mas o problema está na ignorância já instaurada e a manipulação dos meios de comunicação que não deixa a população enxergar e refletir o que está acontecendo a sua volta.
    O professor é que torna o ser humano mais crítico para poder refletir sobre tudo. Ou seja quanto mais crítica a população menor será a manipulação e maior será a responsabilidade.
    Como as pessoas estão acomodadas elas não fazem questão de carregar o fardo das responsabilidade social e acabam se mantendo na inércia social.
    O ser humano se auto-coisifica fazendo com que se torne uma peça substituível no xadrez dos poderosos!

    Israel Chaves - Gestor Financeiro

    ResponderExcluir
  3. Westerley, seu texto, reflexão sobre a profissão docente apresenta uma qualidade rara entre professores quando estes se atrevem a escrever, o que não é uma prática muito comum, pelo menos, nos meios em que convivo.
    Parabéns! Seria importante que seu texto chegasse a mais pessoas, ou que até se conseguisse uma publicação em revistas especializadas, por exemplo.

    Att.
    Estevam

    ResponderExcluir
  4. Estevam

    Agradeço suas palavras.Tentarei publicá-lo mas poucos meios impressos se interessam por textos longos e desta natureza. Talvez a divulgação via internet faça mais efeito. Conto com você!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Realmente, o seu ar explicito de comunicação é muito apurado. A populção é muito acomodada quanto as informações adquiridas por TV, INTERNET, JORNAL. elas nao procuram ir a fundo, saber a dimensão dos problemas e nada mais, julgam por simplismente serem acomodadas! ÓTIMO TEXTO

    ResponderExcluir
  6. O professor é a base para que o mundo ande. Pois, para se formar medicos,advogados,administradores... enfim, qualquer profissional que seja, precisa de um professor para dar o ensino. È uma vergonha Minas nao valoriza-los e nao incentiva-los.

    ResponderExcluir
  7. Prezado Westerley,



    Incumbiu-me o senador Cristovam de agradecer o atencioso contato e cumprimentá-lo.



    Cumpre-me informar que as sugestões e informações enviadas, de grande importância para a atuação parlamentar do senador Cristovam, foram recebidas.



    Reitero a garantia do apoio do senador Cristovam na luta pela construção de uma sociedade mais justa e igualitária, com escola de qualidade para todos, e coloco-me gentilmente à disposição para eventuais esclarecimentos.



    Atenciosamente,



    Fernanda Andrino

    Assistente parlamentar

    Gabinete do Senador Cristovam Buarque

    www.cristovam.org.br

    http://twitter.com/Sen_Cristovam

    O filho do trabalhador na mesma escola do filho do patrão

    ResponderExcluir
  8. Estimular homens e mulheres à profissão é apenas um passo, já que, para efetiva transformação no quadro caótico da educação, os professores devem ser respeitados e valorizados, (há muito tempo ser professor não esta nos sonhos daqueles que aspiram uma vida profissional de qualidade, digna) infelizmente com o sucateamento da educação decorrente da “democratização do ensino” que era de qualidade para uns poucos e passou a ser medíocre para todos, os professores perderam sua identidade, são desvalorizados, e para sobreviver se sujeitam a um trabalho quase escravo com jornadas exaustivas. Enquanto o importante for os números de alunos matriculados e não a qualidade de ensino, fruto da política que atua para “inglês ver” infelizmente nossa educação será assim, só aparência. E não na verdade a valorização e o respeito digno que os professores merecem.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  9. ''O Brasil nunca soube valorizar seus professores'' e por isso perde o valor. O professor é peça fundamental na formação do cidadão e consequentemente da sociedade mas mesmo assim nao tem seu valor reconhecido

    ResponderExcluir
  10. O Professor: Profissional, totalmente injustiçado em toda a nação. São os responsáveis, pela formação da sociedade, e não recebem o valor que merecem. O país e seus governantes deveriam se colocar no lugar desses profissionais, que batalham com todas as dificuldades proporcionadas pela profissão que são cobertas pelo governo, tais como violência na escola, onde professores são espancados e nenhuma medida é tomada. Mais eu tenho fé de que um dia os professores vão ter o seu devido reconhecimento e nos transformaremos num país bem melhor.

    ResponderExcluir
  11. Os professores tem que fazer cada vez mais greves, aumentar cada vez mais a luta ! Só assim ele vai ser respeitado e ter a dignidade que lhe merece. Esses pontos foram fundamentais para o meu entendimento sobre como é a vida de um professor, carreira essa que eu ainda sonho em exercer !

    ResponderExcluir
  12. Anônimo de 21:26
    Obrigado pelas palavras. Com toda dificuldade ainda assim ser professor(a) é uma das mais belas e necessárias profissões, vamos reverter este jogo. Você será muito bem vinda nesta profissão! Estude bastante e sempre!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Os professores estão sendo julgados injustamente, tem muitas pessoas que não sabe o significado da greve, só fica criticando, deveriam estudar sobre o caso.
    Professores têm que lutar pelos seus direitos, mesmo que seja tomar atitudes não muito agradáveis. Devemos pensar que ser professor não é fácil.
    O professor que faz a nossa formação, que nos prepara para lutar na vida, e eles ficam sendo discriminados.
    Professores, lutem pelos seus anos de estudo e dedicação.

    ResponderExcluir
  14. Ser professor é uma das mais belas e complicadas profissões.Bela,porque o professor tem o conhecimento em suas mãos,e o poder de disseminar o saber,novas idéias e ajudar a construir um ser humano.O professor participa efetivamente da construção de um ser humano,desde a ensinar funções elementares como ler e escrever até a ensinar ao mesmo sobre princípios como,respeito e dignidade.No entanto,é uma das mais complicadas profissões,pois todos sabem da importância do professor e por isso cobram que o mesmo seja o melhor.Mas como cobrar de um profissional o seu melhor desempenho se ele não tem condições mínimas para exercer suas funções?É isso que o governo tem feito,tem cobrado dos professores um avanço na educação sem ao menos lhes dar condições para que isso aconteça.É digna a luta dos profissionais da área da educação e torço para que alcancem seus objetivos,afinal todos nós sairemos ganhando dessa luta.

    ResponderExcluir
  15. Professor ,sem duvidas , acho que a mais importante profissão . Para qualquer outro tipo de profissão que escolhemos exercer no futuro , no inicio sempre teremos um professor para nos orientar nos primeiros passos . Porem e necessário , como em qualquer outra profissão , terem boas condições para exercerem tal responsabilidade . Um professor carrega consigo a responsabilidade de ensinar e avaliar cada um dos alunos . Eu como aluna do 3 Ano tenho muito a agradecer cada um dos pofessores que já passaram pela minha tragetoria escolar , e de nesse momento apóia-los nessa luta onde o que querem não e nada alem do que e de direito deles . Como o Estado quer garantir um ensino publico de qualidade sendo que os nossos professores não tem as minimas condiçoes para exercer o melhor que podem ? Estou com os professores nessa luta , mesmo ciente de que fomos bastante prejudicados nesse ultimo ano escolar !

    ResponderExcluir
  16. Os nossos professores têm direito a liberdade de expressão,de fazer manifestações,e eu não apenas concordo com a greve de sua insatisfação,pois todo o poder emana do povo;e considerando este fato,posso dizer ESTOU COM OS PROFESSORES!!! Pois o governo muitas vezes desvaloriza diretamente e indiretamente,os professores são agredidos no seu dia a dia através de alunos qe não tão nem ai com os estudos,sofrem riscos de agreções de alunos, merecem um salário digno como todas as profissões

    ResponderExcluir
  17. Fiquei sabendo que o Estado alegou que pouco mais de 1% das escolas estavam sem aulas, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais diz que mais de 30% das instituições de ensino são afetadas pela greve. è um absurdo isso, como pode cada um passar uma informação ? Confesso que fiquei sem aulas por uns meses e foi muito prejudicial para minha carreira estudantil, afinal ficamos em casa mexendo em Facebook e orkut ao invés de estarmos na escola, mas por outro lado apoio os professores, afinal estudaram e merecem um salário digno, estudam anos e anos para ganhar uma mixaria ? Enquanto os políticos,(vou colocar assim para evitar sitar nomes) recebem milhões de R$.um país igualitário ? kk estamos longe disso acontecer .

    ResponderExcluir
  18. Cláudio Vítor Oliveira__ Aluno do 3ºAno do Estadual Central BH MG.

    Ficamos indignados ao depararmos com a situação dos profissionais da educação no Brasil, onde estes dedicam seus conhecimentos em prol da aprendizagem de jovens e adolecescentes, e em troca recebem salários vergonhosos, reconhecimento zero, tendo curso superior, se preparam para ensinar, mas ao se defrontarem com a realidade numa sala de aula e com o salário seus ideais se desmoronam.
    Quanto ao tempo do professor, não lhe sobra nenhum. Precisa trabalhar em várias instituições para garantir um salário justo.
    Com isso podemos prever um futuro catastrófico para nosso país, onde a educação está em últimos planos, ou se estiver em algum plano.

    ResponderExcluir
  19. Aos Queridos Alunos!
    Em nome dos professores que tanto defendem a luta pela construção de uma sociedade melhor para todos e a partir de cada pessoa e principalmente das crianças e dos jovens como vocês!
    Muito Obrigado!
    P.S. Estou sabendo da emocionante demonstração de consciência crítica e política dos alunos do Estadual Central.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  20. Os professores não recebem há tempos a valorização que merecem como profissionais e como pessoas.O piso salarial é um caso gravíssimo,e esse caso é de muito tempo.A posição do governo em relação a greve só nos mostra o quanto necessitamos de governantes mais honestos no poder.Vivemos em uma democracia mas o governo pensa que estamos em uma ditadura.É dever do professor reivindicar seus direitos não apenas como profissionais mas também como pessoas.A lei está no papel e deve ser cumprida

    ResponderExcluir
  21. Ser professor acredito que seja uma escolha de poucos! E são esses poucos que são responsáveis pela nossa formação! Absurdo, não?! Para mim os profissionais da educação deveria ganhar o melhor salario do país, porque e por meio da educação que se forma Governadores, Presidentes etc ..! Mas infelizmente não e a realidade. A realidade seria o cansaço, as dores de cabeça, os trabalhos que não levam a nada, falta de respeito por parte do governo, dos alunos e dos própios profissionais da área !!!
    Portanto professores, todos nos temos direito a liberdade (greve) .. LUUTEM , lutem o quanto for preciso estamos com vocês!

    Aluna do 3º ano - ESTADUAL CENTRAL

    ResponderExcluir
  22. concordo com vc o brasil está perdendo o que tem mais de valor que são os professores, por causa disso a maioria perde a vontade de dá aula, ele fica desmotivado por causa disso.

    ResponderExcluir
  23. A gradativa e desenfreada desvalorização do professor é um dos problemas mais sérios e menos repercutidos na atualidade brasileira. Por que nossos governantes insistem em deixar de lado a principal demanda do país? Por que eles insistem em não investir devidamente na educação? A resposta é dolorosa, porém simples: quanto menor o nível de escolaridade, maior o de ignorância e consequentemente, maiores as chances de políticos corruptos e incapacitados de se elegerem. A educação é a base de qualquer sociedade e para que a mesma prospere, é necessário um forte investimento na mesma. O professor é o intermediador entre o conhecimento e o aluno, é ele que tem a tarefa de formar novos cidadãos e novos líderes, é o responsável pela construção do futuro, o responsável pelo fortalecimento de uma nação. Sendo assim, a profissão deveria ser muito mais valorizada do que é, o valor de um professor para a sociedade é grande, mas para o governo é mínimo.

    ResponderExcluir
  24. Realmente,Westerley,ser professor hoje é uma tarefa muito difícil;alem de lidar com alunos que não são sempre fáceis (e muitas vezes desrespeitosos) professores ainda lidam com o vergonhoso( para não dizer misero)salario que lhes e dado.
    Ser professor deveria ser a carreira mais valorizada e digna de todas, pois e um trabalho árduo e de suma importância o dever de transmitir a outros o seu conhecimento me atrevo a dizer mais importante ate q ser um governador ou presidente( principalmente olhando e analisando como essa área esta hoje em dia no Brasil) ,mais graças a nossos governantes de merda, ela tem sido cada vez mais desvalorizada e indigna. Isso só mostra o quanto nosso governo quer nos manter ignorantes e estúpidos para continuar essa roubalheira desenfreada e com toda a população sendo ou se fingindo de cego (para não dizer de idiotas), enquanto todos eles são reeleitos e ficam bem de vida a custa de nosso árduo trabalho.
    Por esses e outros motivos q nosso pais tem sido e continuara sendo um motivo de riso para o resto do mundo e de vergonha para todos nos.


    D.V.S (aluna do terceiro ano da escola E.E.Governador Milton Campos).

    ResponderExcluir
  25. A maioria das pessoas começa a imaginar a sua profissão desde pequeno, quem nunca brincou de escolinha, tendo aquele linda ilusão, de ser o professor, o mestre, o educador, o respeitado e adorado, PROFESSOR, reuniu os coleguinhas para serem os seus alunos, colocando os óculos da avó, pegou alguns giz na escola escondida da professora, fazendo a parede de quadro negro?!
    Pois é, mais tudo isso fica apenas na brincadeira, e na fantasia de uma criança mesmo, porque na pratica e na vida real é tudo muito diferente, pra ser professor você precisa de garra, estrutura psicológica, e principalmente a consciência de que você ira estudar, e correr o risco de ter que lutar, e passar por muitas batalhas junto aos professores mais velhos, por uma valorização do professor no estado de minas gerais- sendo mais especifico-.
    Eu fico imaginando, se tudo isso não acabar rápido, quem irá querer ser professor?!
    Será que essa profissão se tornara escassa, forçando o governo a valorizar a profissão, será que essa poderia ser a solução?! A escassez do professor nas escolas publica. É Brasil!
    L.R.C. - Aluna 3º Estadual Central -

    ResponderExcluir
  26. Oi, L.R.C.
    É isso mesmo. O Brasil chegou no limite em termos de desvalorização do professor e da Educação. Ou muda ou começaremos a ficar para trás em relação aos emergentes no mundo!(já começamos!)

    Abraço!

    P.S. Estou produzindo um texto sobre " O que é ser Professor?" Andei olhando parece que isso não está bem claro para as pessoas...

    ResponderExcluir
  27. De fato. O Brasil menospreza aquilo que deveria ser mais exaltado: o professor. É preocupante a situação que se encontra a educação nesse país, e parece que as mudanças estão longe de acontecer, pelo menos no estado de inércia que a população se encontra. O professor é o mestre, é a figura que constrói os próprios pilares de uma sociedade, nós, jovens e eternos estudantes. Essa desvalorização do professor só nos leva a pensar que o governo quer mesmo é destruir. A política nesse país não é regida para a construção de uma nação melhor, mas sim por interesses próprios, interesses sujos e mesquinhos. É triste, é revoltante o descaso com os professores e daqui poucos anos, não haverá mais essa profissão, porque o professor perdeu sua auto-estima, perdeu sua respeitabilidade, sua credibilidade. Um exemplo disso, foi um relato de um colega, que me contou sobre uma discussão que aconteceu com seus colegas e seu professor na escola. Ele me contou que o professor ao revelar o valor de seu salario, foi ridicularizado por um outro aluno, que levantou a voz e comentou que recebia uma remuneração maior que a dele. Isso é uma vergonha, é lamentavel, até quando essa situação será uma realidade no nosso país? Como eu, e como as gerações futuras poderão se qualificar, não só academicamente, mas também como cidadão, diante desse descaso?
    O bolo está crescendo, mas não está sendo partido, e isso é exatamente o que eles querem, por isso os professores são tratados como nada, porque são eles que nos retiram da alienação e subordinação forçada em doses de mentiras que defendem avanços e melhorias. A nivel social, eu não vejo tantas melhorias assim, não enquanto jovens se tornam criminosos, enquanto deveriam estar dentro da sala de aula com professores bem remunerados e qualificados.
    JV.A.V - Aluno 3° ano - Estadual Central

    ResponderExcluir
  28. Os profissionais da educação a cada dia que passa estão sendo mais desvalorizado. Prova disso são os absurdos salários pagos (principalmente em minas) pelos governos. Geralmente outras profissões são muito mais valorizada do que a profissão de um educador. Nós, o Brasil, somos um dos países que mais que cresce economicamente no mundo, mas esse dinheiro é muito mal investido em educação. Professores que trabalham em três turnos diários para garantir uma condição melhor a seus familiares, de forma em que se juntar os três salários não dar o que ele deveria ganhar em um turno. É extremamente constrangedor o que o governo de Minas faz com nossos profissionais, sendo que Minas e um dos estados que mais arrecadam impostos do Brasil. Pra onde esse dinheiro vai?
    Diria que em educação basicamente não é investido.

    Tales, Aluno do Estadual Central. 117m

    ResponderExcluir
  29. Olá pessoal!
    Tenho comentado com muita gente o excelente nível de consciência crítica dos alunos do E.Central. Peço que reenviem os comentários para o blog da Beatriz Cerqueira e para os emails dos parlamentares, isso vai nos ajudar bastante!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  30. O problema dos salários do professorado mineiro não é que eles passam fome, ou não dá pra viver. O problema é que a maioria deles trabalham em três turnos para completar a renda, para sustentar a família. Trabalham 4 horas e meia de manhã, 4 horas e meia à tarde e três e meia à noite, totalizando 12 (DOZE) horas de trabalho por dia para ganhar R$ 1.900. Isso não é o pior. O pior é que as aulas que eles dão não são as melhores possíveis. Ás vezes muito pelo contrário. A pessoa tem que dormir pelo menos 8 horas, trabalhar 12 horas, ficar no trânsito pelo menos 2 horas num dia pra transitar de casa para a(s) escola(s). O que sobra? 2 horas!!! Para comer, dar atenção à família, pagar as contas, ficar por dentro das notícias do mundo, ter vida social, fazer suas necessidades, ter um lazer e ainda PLANEJAR AS AULAS. Querido ANASTASIA, o que o senhor acha disso? Praticamente uma piada né? Pois é, é o que parece.

    ResponderExcluir
  31. Lucas Mozer dos Santos_ 3º Ano do Estadual Central

    Os professores mineiros se desdobram para um ensino de melhor qualidade para o futuro do país, trabalhando, as vezes, nos três turnos para conseguirem uma renda que dê para sustentar a família, pois o salário pago pelo governo é uma vergonha. Os professores não têm vida social, trabalham dia e noite. Trabalham tanto para receberem o que mereciam com apenas um turno. Possuem qualificação de ensino superior para lutarem por um futuro melhor, ensinando as crianças e jovens, e não são reconhecidos como deveriam ser.
    A educação no país está, cada vez mais, desvalorizada, e o governo nada faz por uma mudança. Vergonhoso para um país de imensidões como o Brasil estar nessa catastrófica situação.

    ResponderExcluir
  32. O professor luta por uma educação melhor no Brasil mas o brasileiro não percebe, parece não se importar. Se importar é o primeiro passo para fazer a diferença, para fazer tudo diferente. Enquanto o professor passa o dia inteiro trabalhando para ter uma vida digna, os pais mandam os filhos para a escola como quem manda crianças para uma creche. Educação vem de casa, sempre ouvi isso e nunca me pareceu tao certo. Os proprios pais que tem filhos na rede pública não correm atras desse direito de melhoria na qualidade de vida dos professores que é diretamente proporcional à qualidade de ensino.
    O Brasil precisa de uma reestruturaçao completa, nao apenas na educaçao, mas temos que começar por algum lugar entao que comece pelo aumento salarial dos professores.

    ResponderExcluir
  33. Qualquer pessoa que tenha plena consciência de como é a situação dos professores hoje em dia, sente-se mal com tudo isso. Pois tem aqueles que só querem criticar e mais nada.
    É um descaso tudo isso que o governo faz com os profissionais dessa categoria, eles agem como se ser professor fosse uma profissão qualquer e não é bem assim. Professores dedicam seu tempo, conhecimento e muito mais a nós alunos. Mereciam ter um salário digno e um reconhecimento gratificante e no entanto é muito pelo contrário. Para ter um salário "melhor" é preciso trabalhar em 2 ou 3 turnos. Enquanto alguns políticos não trabalham nem 6h por dia, e ganham um salário absurdo. Desse jeito dá pra ver onde a educação vai parar ..

    Gabriela Gomes - Estadual Central

    ResponderExcluir
  34. M.Maia - Estadual Central.2 de novembro de 2011 15:29

    A desvalorização do professor se inicia logo na remuneração. É uma questão lógica, se o profissional não recebe o justo, ele não terá prazer naquilo que faz não se desenvolverá profissionalmente, não obterá prestígio na profissão (que é muito importante para a autoestima do profissional), todos esses fatores podem levar a uma baixa oferta de profissionais qualificados no mercado, o que acarreta a extinção do profissional. Onde em alguns casos aparecem profissionais extremamente desqualificados para o ramo, mas que acabam sendo contratados por falta de opção. O que é um absurdo, pois a base de qualquer um é a escola e se nela não tomamos nota de qualquer aprendizado, a mesma caba se tornando inútil para a sociedade. Para dispor este ciclo, só há uma solução. O salário justo. Para que o profissional (no caso do professor) trabalhe o suficiente, e seus alunos aprendam com êxito o que é necessário.

    ResponderExcluir
  35. O texto é muito bom, e deixa claro que todos os outros quatro tipos de desvalorização do professor estão relacionados ao primeiro, o de Desprestígio Econômico.
    Se o Governo não desvalorizasse economicamente o salário do professor, ele estaria apto a trabalhar melhor, pois assim teria mais conquistar e procuraria sempre se valorizar mais, e não teríamos o problema da profissão entrar em obsolescência por menos jovens quererem se formar professores, ou do profissional se sentir desanimado e falta de prazer em dar aula; além da crescente desqualificação dos profissionais hoje em dia

    ResponderExcluir
  36. Thiago Henrique Rogêdo, aluno 3° ano Estadual Central.

    O governo está acabando com a educação em MG, é inaceitável isso, esse governo está fazendo de algo tão simples que é cumprir uma lei, acabar com a educação de minas. O efeito dominó que o motivo econômico está causando é enorme, e isso tudo porque eles se recusam a cumprir uma lei por um capricho deles e esse capricho mais dia menos dia pode acabar com essa profissão. O governo tem mais é que fazer o reajuste salarial, fazer pelo menos uma vez o que é certo e tirar de minas esse imagem vergonhosa.

    ResponderExcluir
  37. Concordo plenamente quando você relaciona os cinco tipos de desvalorização do professor ao que está acontecendo aqui em Minas. Não tem coisa pior do que te desvalorizarem por uma coisa que você se dedicou a vida inteira, não importa se for financeiramente, psicologicamente ou socialmente. Então como todo profissional os professores da rede estadual merecem ser reconhecidos e com isso trabalharem dignamente com o salário e serem devidamente valorizados.

    L.S.C. Aluno do Estadual Central.

    ResponderExcluir
  38. Com o salários que os professores vem recebendo, é mais fácil ser um gari que não precisa de uma faculdade e ganha mais, o salário é a principal desvalorização de uma profissão pois hoje em dia olhamos qual profissão ganha mais para podermos fazer a faculdade e a do professor é a menor, então são poucas as pessoas que se formam educadores. Antigamente ser professor era uma honra, educar os filhos dos outros um prazer, mas hoje em dia é o contrario algumas pessoas pensam que professor é aquela pessoa que não tinha mais nada pra fazer na vida e quis fazer o curso de licenciatura, isso acaba desmotivando os educadores a procurar uma qualificação melhor para formar alunos capazes de abrir a cabeça para um mundo corrupto e deixar de ser aquela pessoa ingenua que foi um dia. A educação tem como objetivo aprimorar e fortalecer a cidadania, as normas sociais, os direitos e deveres do cidadão, o professor tem como foco passar isso ao aluno, mas com o baixo salário a desvalorização e a desmotivação do professor faz com que isso seja deixado para traz, da educação aos alunos não é obrigação do professor e sim dos pais o professor ajuda na formação intelectual do aluno.

    Minas Gerais sendo o segundo estado mais prospero do país, deveria ser exemplo em educação, o governo deveria investir muito mais do que vem investindo na educação. A educação é a base de tudo não adianta investir em copa do mundo se os brasileiros não são educados o bastante para poder sediar um evento tão importante quanto a copa. A educação deveria vim em primeiro lugar pois ai poderia pensar em investir o dinheiro em outras coisas, uma prova de que os governos não investem na educação é as obras de um estadio privado receber dinheiro publico para ter sua reforma feita. O governo preferi investir em obras para a copa do que em salário para os professores. .

    ResponderExcluir
  39. É complicado a situação de um professor da rede estadual! Seus direitos, assim ditos e escritos, não são cumpridos como deveriam, e ainda existe vários fatores que faz com que o professor seja cada vez mais ''descriminado'' na sociedade política e pública! Mais uma pergunta para o professor e seus movimentos, se a lei é federal, é uma obrigação do governo, por que eles não pagam esse piso logo? Não da pra entender a briga em si dos professores. O MP tem mais que obrigação de aceitar isso, e o governo está errado em parte de tudo! Mais parece que há alguma coisa nessa história, para que o governo não cumpra essa lei.

    Samuel Lucas - ESTADUAL CENTRAL - BH - 109

    ResponderExcluir
  40. Professore precisam de condições financeiras para dar aula e não precisar aumentar a carga horária diária para ter uma vida financeiramente digna. Professores desanimados com a profissão, não darão incentivo nenhum para que outras pessoas futuramente venham a ser professores.
    Sem condições de trabalho nem incentivos os professores sentem vontade de trabalhar. a sociedade necessita muito de professores com a falta de pessoas querendo ser a qualidade só vai diminuir

    Lucas Morgado ESTADUAL CENTRAL - BH - 109

    ResponderExcluir
  41. Olá samuel Lucas!
    Tentando responder suas perguntas. Nós também estamos sem entender qual é o problema deste governo. Alguns dizem que o Aécio quebrou o Estado. Quando ele entrou Minas tinha uma dívida de 15 bi, quando ele saiu deixou uma dívida de 52 bi. Porém o Anastasia era o homem do planejamento dele, do "choque de gestão" de Minas e todos desde 2008 já sabiam que agora deveriam pagar o piso! E até agora nada!

    Neste blolg há um texto que tenta explicar o que está acontecendo. Veja: " Minas Anuncia a Morte da Política".

    Abraço e enviem seus comentários para os parlamentares ok? emails no menu ao lado!

    ResponderExcluir
  42. Débora Rodrigues,Estadual Central Turma:1172 de novembro de 2011 20:10

    Acredito que a valorização do profissional de qualquer área e dada através de seu salário;e não é isso q vem acontecendo com os trabalhadores da educação.Hoje,com os salários oferecidos aos professores,eles são forçados a cumprir duas ou mais jornadas de trabalho assim prejudicando a integridade física e mental dos mesmos.Com isso os trabalhadores pedem que o governo apenas acate a justiça,com a lei 1.934(lei do piso salárial)que consiste em um salario "digno" aos professores,e não exercida pelo governo mineiro,que usa de artimanhas e tentam enganar a população com soluções chulas e inúteis.

    ResponderExcluir
  43. Aluno do 3°ano 121/142 de novembro de 2011 20:53

    Eu sempre vou lembrar de uma professora minha falando quando eu estava no ensino fundamental que ela foi para um país europeu e la quando ela falava que era professora todos ficavam admirados porque la você ser professor é como ser um médico ou advogado aqui no Brasil. Mais como aqui a história é outra, pessoas que querem ser professores ao invés de se qualificar, ter mais conhecimentos, tem que entrar em uma vida corrida, arrumar outro emprego alem do de professor público por que se não, não consegue sobreviver. Esse para mim é o maior dos desrespeitos ao educador. O post está ótimo, muito bem argumentado e explicativo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  44. Vitor Hugo (estadual central)
    Concerteza os professores são para os representantes politicos um zero a esquerda porque se eles tivesse alguma preucupação eles não iria fazer hora com a cada desse trabalhadores que tem uma grande influecia em nossos Brasil pelo o fato que os professores são responsaveis pela a formação de nos cidadões para o mundo,mas o professor e tratado como qualquer um parecendo pra nada mas eles esquece que para um futuro glorioso para nosso pais tudo começa dentro das salas de aula,mas os representantes politicos querem os cidadões sem instrução para continuarem votando neles e que eles possa continuar enchendo "as cuecas de dinheiro",e é por isso que os professores tem todo meu apoio perante a greve estadual do servidores da educação de MG.

    ResponderExcluir
  45. A desvalorização dos professores é um assunto que gera muita "polêmica" ..muitos dão opniões e não sabem o que realmente acontece na educação pública e com os profissionais que nela atuam. Só quem convive e vê o dia-a-dia desses profissionais, sabem como é. Se o salário, o descaso e a falta de reconhecimento continuar, daqui uns anos não terá ninguém querendo seguir essa profissão, que antigamente era tão almejada.
    Professores fazem parte da vida de todos, necessitam de boa remuneração, pois isso é o ponto de partida para melhorar os outros itens.

    FELIPPE AUGUSTO - ESTADUAL CENTRAL

    ResponderExcluir
  46. É importante essa contextualização. Devemos levar em consideração, como foi dito no texto, que todos esses tipos de desvalorização estão interligados. Quando se faz uma greve por salário digno, muitas pessoas pensam que o fator da luta é apenas o dinheiro, mas se enganam. O fator econômico é reflexo de toda uma desvalorização. Em primeiro lugar, o desprestígio social, que ignora a importância que tem o professor para a sociedade. Isso causa a autodesvalorização, pois os ataques aos direitos e a baixa consciência levam o educador a pensar que não cumpre um papel importante. A obsolescência também é reflexo, visto que, devido à crescente desvalorização, a busca pela carreira de professor tem diminuído. E tudo isso é o conjunto da desqualificação.
    O mais interessante, ou na verdade revoltante, é que toda essa questão política e social vem de uma questão puramente econômica, pois a educação tem sido cada vez mais desvalorizada porque os governos priorizam o bem-estar daqueles que exploram o povo diariamente, basta ver que mais de 30% do PIB brasileiro vai para os juros e amortizações da dívida pública, uma dívida que nunca para de crescer, enquanto menos de 3% é destinado à educação.

    Júlia Raffo
    Presidente do Grêmio do Estadual Central
    Estudante da turma 109

    ResponderExcluir
  47. Júlio, muito bom o trabalho que estão fazendo aí no E.Central. Peço a colaboração do pessoal para enviarmos estes posts aos emails dos parlamentares. Veja na pág. "campanha de apoio a greve" neste blog.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  48. O interessante q podemos observaré a interligaçao no modo como Westerley retrata a devalorizaçao e, apos lermos paramos para pensare ver q , tudo q foi dito ,é a mais pura verdade,infelismente e,tambem paramos pra pensar na inportancia de um professor.
    depois de tudo isso que ja vi e li sobre a greve,percebo o quanto ela e importante,pois os professores merecem q seus direitos sejam cumpridos.
    espero q um dia o governo tenha essa visao,ate la, apoiarei as lutas desses grandes guerreiros q sao os professores

    aluno 3° estadual central

    ResponderExcluir
  49. Essa desvalorizçao do professor,seria evitada se houvesse investimentos governamentais,essencial para uma profissao de boa qualidae e desenvolvimento,com isso leva a perda da procura por essas profissoes,que nao sao valorizadas.isso é um absurdo!,principalmete os professores que sao essenciais para a aducaçao de um pais e seu desenvolvimento.De certa forma espero que algum dia a educaçao do Brasil melhore e que os prefessores sejam respeitados confome merecem!
    aluna 3º ano estadual central-turma 106 -Camila Ambrosio

    ResponderExcluir
  50. A "rede de ensino" vem ao longo dos anos sendo degradada e o desinteresse vem prejudicando cada vez mais a educação.E que os problemas vem se agravando cada vez mais,o despreparo dos professores tanto pela remuneração indequada e as oportunidades e pelo despreparo em sala de aula vem causando uma insatisfação em massa que tem que ser combatida mas está causando desinteresse,descaso e preguiça de todos.A educação não tem que ser apenas um projeto do estado que ele mantêm "meia boca" mas sim um projeto em que se interesse de todos e busque bons resultados pois é um direito de todos.....
    Cristiane Oliveira-Estadual Central/3
    º-109M

    ResponderExcluir
  51. Existe, na sociedade atual, uma crescente desvalorização do professor, e isso é um problema muito sério, porém não é levado muito em consideração. O Governo insiste em não investir como se deve na educação e isso é devido ao fato de que se o cidadão está sem escolaridade e é "ignorante" ele acredita em qualquer proposta tola de canditatos corruptos.

    ResponderExcluir
  52. Ridicularizar o ensino dessa maneira revela um governo insensato com o bem da sociedade. Fora Anastasia!

    ResponderExcluir
  53. Aluno 3ano estadual central3 de novembro de 2011 22:50

    Paola Talitha(estadual central - 129)

    O texto explicita a situação do professor no Brasil. Infelizmente, as pessoas não enxergam que mesmo com toda tecnologia, o professor atua em nossas vidas nos aprimorando como cidadãos. Porém, devido a desvalorização social, econômica(salários baixos)e até no campo psicológico(autodesvalorização)desses observa-se uma falta de profissionais ou desistência nesse ramo da educação. É vergonhoso, visto que a educação em um país é a base para o crescimente desse em todos os aspectos.

    ResponderExcluir
  54. O professor é o pilar funametamental para a construção de um país sem ignorância. Mas o problema está na ignorância já instaurada e a manipulação dos meios de comunicação que não deixa a população enxergar e refletir o que está acontecendo a sua volta.O professor é que torna o ser humano mais crítico para poder refletir sobre tudo. Ou seja quanto mais crítica a população menor será a manipulação e maior será a responsabilidade.

    ResponderExcluir
  55. Qualquer pessoa que tenha plena consciência de como é a situação dos professores hoje em dia, sente-se mal com tudo isso. Pois tem aqueles que só querem criticar e mais nada.
    O professor luta por uma educação melhor no Brasil mas o brasileiro não percebe, parece não se importar. Se importar é o primeiro passo para fazer a diferença, para fazer tudo diferente.

    ResponderExcluir

Para facilitar, você pode postar como anônimo e se não se importar identifique-se (Texto com até 4096 caracteres)

Olavo de Carvalho

Loading...

Sergio Cortella

Loading...